Grupo
|América do Sul

A SUEZ, provedora de soluções inovadoras, comprometida com a preservação do clima: o projeto Biofatorias no Chile, premiado pela ONU

A Secretaria de Mudanças Climáticas da ONU anunciou hoje os 15 vencedores do prêmio "Impulso para o Cambio 2018", que as Nações Unidas atribuem a soluções para a mudança climática.

Ontem, como parte da Semana do Clima, foi realizada em Nova York a cerimônia de premiação "impulso para a mudança 2018" das Nações Unidas para a Ação Climática, que visa recompensar iniciativas tomadas para combater a mudança climática e proteger o planeta.

Mais precisamente, "Essas atividades se concentram em ações climáticas que podem ser replicadas em todo o mundo", disse Patricia Espinosa, Secretária Executiva da ONU sobre Mudanças Climáticas. "Eles são a prova de que a ação climática não é apenas possível, é também inovadora, empolgante e faz a diferença."

Os esforços de empresas que, como a SUEZ, estão comprometidas com a proteção do planeta também foram aclamados por António Guterres, Secretário-Geral das Nações Unidas, "Líderes de ação climática, incluindo os reconhecidos pela iniciativa da ONU "impulso para a mudança 2018", estão se multiplicando. O objetivo comum é enfrentar o desafio climático global a partir do cumprimento do Acordo de Paris ".

As Biofactorias premiadas



Os 15 projetos vencedores fazem parte de uma das quatro áreas principais da iniciativa “Impulso para a Mudança”: Saúde Planetária, Neutralidade Climática Agora, Impulso para a Liderança das Mulheres e Financiamento para Investimentos Resilientes ao Clima. Os projetos apresentados foram, portanto, muito diversificados, como um projeto de aplicativo móvel que promove a luta contra o desperdício de alimentos e a fome no mundo e um projeto de um clube de futebol ecológico no Reino Unido.

Na categoria "Saúde Planetária", a SUEZ foi premiada por suas Biofactorias. De fato, a SUEZ, em colaboração com a Aguas Andinas, a maior concessionária de gestão de água no Chile, está promovendo uma mudança de paradigma para a economia circular, transformando três usinas de tratamento de água de Santiago em "Biofactorias". Essas Biofactorias não apenas tratam as águas residuais, mas também as valorizam em novos recursos naturais, em energia limpa.

Narciso Berberana, Diretor Geral de Águas Andinas, fez a apresentação para explicar como as Biofactorias contribuem para o desenvolvimento da economia circular. O projeto foi lançado em 2017 para modernizar estações de tratamento de águas residuais e transformá-las em Biofactorias para serem auto-suficientes em energia, zero desperdício, com impacto socioambiental positivo e carbono neutro até 2022.


Atualmente :

 

  • 100% das águas residuais produzidas na região metropolitana de Santiago são tratadas pela Aguas Andinas
  • A partir de hoje, a recuperação de energia do lodo de esgoto leva à produção de 49 GWh de energia elétrica, 177 GWh de gás natural e 84 GWh de energia térmica em Santiago
  • Mais de 137 000 toneladas de biossólidos de estações de tratamento de efluentes são reutilizadas como fertilizantes para o cultivo de alimentos

O projeto Biofactorias está atualmente em execução na SUEZ Espanha. Entre as instalações pioneiras envolvidas, a estação de tratamento de esgoto de Granada Sur, na Espanha, tem como objetivo alcançar zero desperdício, zero energia e zero emissões até 2020.


Palavras-chave